Museu Pergamon, Berlim, Alemanha

O Museu Pergamon (em alemão: Pergamonmuseum) está situado na Ilha dos Museus em Berlim. O edifício foi projetado por Alfred Messel e Ludwig Hoffmann e foi construído durante um período de vinte anos, de 1910 a 1930. O Museu Pergamon abriga edifícios monumentais como o Altar de Pérgamo, o Portão de Ishtar da Babilônia e o Portão do Mercado de Mileto reconstruído. das ruínas encontradas no antigo Oriente Médio e na Turquia.

O museu é subdividido na coleção de antiguidades, no museu do Oriente Médio e no museu de arte islâmica. É visitado por aproximadamente 1.135.000 pessoas todos os anos, tornando-se o museu de arte mais visitado na Alemanha (2007), e é um dos maiores do país.

O Pergamonmuseum foi projetado por Alfred Messel; sua construção foi supervisionada por Ludwig Hoffmann e durou vinte anos, de 1910 a 1930. Um edifício menor ficou inicialmente no mesmo local por alguns poucos anos antes de ser demolido. Ele abrigou os importantes achados de escavações descobertos pelos museus de Berlim, como os painéis de frisos do Altar de Pérgamo, recuperados da terra em escavações que duraram de 1878 a 1886. Fundamentos inadequados, porém, logo resultaram na construção estruturalmente instável e teve que ser demolido. O novo e maior Pergamonmuseum foi construído como um complexo de três asas. O museu agora abriga três das coleções do Staatliche Museen zu Berlin: o Antikensammlung, o Vorderasiatisches Museum e o Museum für Islamische Kunst. As impressionantes reconstruções de estruturas arqueológicas maciças – o Altar de Pérgamo, o Portão do Mercado de Mileto, o Portão de Ishtar e o Caminho Processional da Babilônia, e a Fachada de Mshatta – tornaram o Pergamonmuseum famoso em todo o mundo, sendo o museu mais visitado no Staatliche Museen e na Alemanha como um todo. Desde 2013, o Pergamonmuseum vem passando por obras de renovação escalonadas, planejadas pela prática arquitetônica Ungers, como parte do Master Plan Museumsinsel. Durante o atual estágio de reformas, o hall contendo o Altar de Pérgamo está fechado desde 29 de setembro de 2014 e deve permanecer fechado ao público até 2019. A ala norte e a galeria de arte helenística também são afetadas pelo fechamento. A Ala Sul do Pergamonmuseum, com o Portão do Mercado de Mileto, o Portão de Ishtar e o Caminho Processional da Babilônia, e o Museu de Arte Islâmica, não são afetados e estarão abertos ao público durante este período.

Coleção Antiguidade (Antikensammlung):
A coleção remonta aos príncipes-eleitores, ou Kurfürsten, de Brandemburgo, que coletaram objetos da antiguidade; a coleção começou com uma aquisição para a coleção por um arqueólogo romano em 1698. Ela se tornou acessível (em parte) ao público em 1830, quando o Museu Altes foi aberto. A coleção expandiu-se muito com as escavações em Olímpia, Samos, Pérgamo, Mileto, Priene, Magnésia, Chipre e Didyma.
A coleção contém esculturas da era arcaica a helenística, bem como obras de arte da antiguidade grega e romana: arquitetura, esculturas, inscrições, mosaicos, bronzes, jóias e cerâmica.
As principais exibições são o Altar de Pérgamo, do século II aC, com um friso escultural de 113 metros (371 pés) representando a luta dos deuses e dos gigantes, e o Portão de Mileto da antiguidade romana.

Museu de Arte Islâmica (Museum für Islamische Kunst):
Mais informações: arte islâmica
Quando o Museu Bode foi inaugurado em 1904, uma seção para a arte islâmica foi criada e posteriormente incluída no Museu Pergamon (1950).
Além da arte islâmica do século VIII ao XIX, que vai da Espanha à Índia, a principal atração é a fachada de Mshatta, originária de um antigo palácio do deserto islâmico inacabado localizado ao sul de Amã, na atual Jordânia. Foi um presente do sultão otomano Abdul Hamid II ao imperador Guilherme II da Alemanha. Partes da porção oriental da fachada e as ruínas da estrutura da qual faz parte permanecem na Jordânia.
Outra exposição única é a sala de Aleppo. Esta área do museu possui uma sala de recepção da casa de um corretor em Aleppo, na Síria, que foi comissionada durante o Período Otomano.
O Museu de Arte Islâmica também recebe regularmente exposições temporárias de arte moderna do mundo islâmico, como a delícia turca de 2008 (design turco contemporâneo) e Naqsh (gênero na arte e sociedade iranianas).

O Museu do Oriente Médio (Museu Vorderasiatisches):
A exposição do Museu do Oriente Médio exibe objetos encontrados por arqueólogos alemães e outros das áreas da cultura assíria, suméria e babilônica. Além disso, existem edifícios históricos, relevos e objetos culturais e jóias menores.
A exibição principal é o Portão de Ishtar e o Caminho Processional da Babilônia, juntamente com a fachada da sala do trono de Nabucodonosor II. O Museu Vorderasiatisches também exibe o fragmento de Meissner da Epopéia de Gilgamesh.

Tags: